sindrome-piriforme-o-que-e-e-como-tratar-20190523165254.jpg (1)

Síndrome piriforme: o que é e como tratar?

Sabe aquela dorzinha chata no quadril ou na região dos glúteos? Pode ser síndrome piriforme (Do latim piriformis, que significa “com forma de pêra”). Essa condição neuromuscular é difícil de ser diagnosticada e, em alguns casos, chega até mesmo a ser confundida com uma lombalgia – que é a dor na lombar. Não é incomum, por exemplo, que a síndrome atinja também o nervo ciático, justamente por causa da proximidade do músculo piriforme com esse nervo.

Para entendermos melhor essa condição, primeiro é preciso compreender o que é o músculo piriforme, que se localiza nas nádegas. É esse músculo, por exemplo, que fornece equilíbrio para as articulações do quadril, além de atuar como peça fundamental para que a pessoa consiga tirar o pé do chão. Ou seja, o piriforme auxila no movimento da articulação do quadril. Já pensou dançar com o músculo prejudicado? É praticamente impossível.

Se o piriforme inflama, aparece a dor

Quando o piriforme é estimulado em excesso, ele inflama e comprime o nervo ciático, que passa por baixo do músculo piriforme ou, em alguns casos, entre o próprio músculo. É por isso que as dores se localizam na região dos glúteos e os sintomas se confundem com as dores do nervo ciático.

Há situações, por exemplo, em que a síndrome piriforme se irradia para outras partes do corpo, como coxas, pernas e espinha dorsal. Isso acontece porque o nervo ciático é o maior do corpo humano e atravessa do quadril ao dedão do pé. Quando a síndrome atinge esse nervo, o problema fica ainda pior, pois a dor se irradia.

Qualquer pessoa pode ter a doença?

Quem mais sofre com a síndrome piriforme são os atletas, principalmente os que praticam corrida e ciclismo. Isso acontece porque essas atividades forçam os movimentos rotativos do quadril. Os exercícios para os glúteos também podem provocar a síndrome. Outras causas para essa condição neuromuscular incluem má postura e sedentarismo. Por isso, pessoas que trabalham em escritórios e motoristas que dirigem por várias horas também podem ter a doença.

Quais os principais sintomas da síndrome piriforme?

Embora a dor na região lombar e nos glúteos seja o sintoma mais comum, existem outras situações que denunciam o problema, tais como:

  • Tentar cruzar a perna depois de ficar longo tempo sentado e a dor piorar;
  • A pessoa pode sentir uma espécie de formigamento nas coxas ou nas nádegas;
  • É comum, também, relatos de fisgadas na perna;
  • Subir e descer escadas contribui para a dor;
  • A síndrome pode ser desencadeada por causa da gravidez, pois nesse período há aumento de peso, o que propicia um aumento da carga corporal sobre o músculo piriforme.

É possível tratar essa condição neuromuscular?

Sim, é possível. As medidas serão tomadas para aliviar a dor e para fortalecer o músculo, o que acontece por meio da fisioterapia. Com diversas técnicas, como analgesia, exercícios de relaxamento, alongamento entre outros , a dor diminui até desaparecer.

O pilates também é um ótimo exercício, pois ajuda a tratar a condição e a prevenir. Os exercícios que promovem a flexibilidade, que alongam os glúteos e que trabalham os membros inferiores também fortalecem os músculos do quadril.

Outra opção é a acupuntura, pois os efeitos relaxantes e analgésicos dessa técnica oferecem equilíbrio terapêutico para o paciente e diminuem a dor.

Se você apresenta diagnóstico da síndrome do piriforme , procure nosso atendimento. Oferecemos serviços (fisioterapia, R.P.G., acupuntura, pilates entre outros ) que melhoram consideravelmente os sintomas . Quer saber mais? Acesse nosso site: www.soniatakara.com.br , se tiver dúvidas, contate-nos pelo telefone 11 4777-9311

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Fechar Menu